Por que aprender a PROGRAMAR ?

Com cerca de 7 anos de experiência em programação e formado em sistemas de informação, resolvi começar do zero. Sim! Eu não estou louco nem nada (eu acho), mas resolvi começar do começo. Entender melhor e me aperfeiçoar sobre o estudo da programação. Assim como no vídeo anterior, quero te intimar a fazer parte desse desafio se inscrevendo neste canal e vem comigo aprender do começo.

Segundo Steve Jobs, todas as pessoas deveriam aprender a programar um computador, porque isso ensina você a pensar.

Mas será mesmo ? 

Para entender melhor sobre essa afirmação de Steve Jobs, precisamos olhar para o cenário da educação. Neste caso, irei focar principalmente no Brasil.

Nos últimos anos podemos observar dois movimentos interessantes e que no primeiro momento pode parecer que são contrastantes. O primeiro mostra a crise no sistema básico de educação e aprendizagem de informática que são evidenciados pelos baixos desempenhos dos estudantes em avaliações básicas como INAF e SAEB. Portanto, não há dúvidas que a educação no brasil vem diminuindo nos últimos anos. Já o segundo movimento pode ser caracterizado como ascensão e expansão de uma nova área de conhecimento: a ciência da computação. 

A constante e acelerada evolução da tecnologia no mundo trouxe os computadores para a realidade de praticamente todas as pessoas. Os computadores estão em todos os lugares. Quer trabalhar com agricultura? Quer trabalhar com entretenimento? A computação estará lá! Diante desse fato, a ideia de inserir a programação no currículo da escola básica como mais uma disciplina tem ganhado força nesses últimos anos, principalmente entre os especialistas da área. 

Um estudo de extrema relevância apresentado por ANUAR DAIAN DE MORAIS em sua tese de doutorado na UFGRS em 2016 questionou: Aprender a programar fomenta a aprendizagem de matemática? O trabalho constatou que sim, aprender a programar fomenta a aprendizagem de matemática e, além disso, indicou a íntima relação entre a Ciência da Computação e a Educação de Matemática. 

Para melhor compreender sobre a importância de aprender a programar, podemos usar um exemplo de Mitchel Resnick, Professor de pesquisa em Aprendizagem no MIT Media Lab. Ele faz o seguinte questionamento: É importante que todas as crianças precisam aprender a escrever? Afinal, porque todos devem aprender a escrever se quando crescem, muito poucos serão jornalistas, novelista ou escritores profissionais? Segundo ele, da mesma maneira que o ato de escrever envolve novas formas de pensamento, conforme as pessoas escrevem aprendem a organizar e refinar suas ideias, refletindo sobre elas. Portanto, existem poderosas razões  para escrever. Para o autor “a programação é uma extensão da escrita, saber programar permite “escrever” novos tipos de coisas – contos interativos, jogos, animações e simulações”. Nesse sentido, outros pesquisadores destacam que nesse processo não só se aprender a programar, mas programe-se para aprender. Compreendem-se conceitos matemáticos e informáticos (tais como variáveis e condicionais) e estratégias de resolução de problemas, design de projetos e comunicação de ideias. Estas habilidades não são úteis apenas para os informatas, mas para todos, sem importar a idade, história pessoal, interesses ou ocupação.

Diante de tudo isso, pode-se pensar em outro questionamento: Como transformar a atual geração de consumidora para criadora de tecnologia? As crianças da atual geração já nasceram conectadas, elas sabem como usar a tecnologia. Olha que eu nem sou tão velho assim, mas ainda lembro quando o desafio era de como ensinar as pessoas a utilizar computadores, celulares e migrar totalmente para as mídias digitais. As pessoas mais velhas ainda passam por essa dificuldade, mas precisamos pensar que essas pessoas não são mais as que realmente estão ou vão trabalhar com a tecnologia. Precisamos olhar para o futuro e pensar que a geração atual não precisa e nem quer um treinamento para trabalhar com as novas tecnologias. Portanto, o atual desafio é como possibilitar o processo criativo para essas pessoas que estão ou ainda vão entrar no mercado de trabalho. 

Já citei ele anteriormente, mas sem dúvidas ele entende muito sobre ensino de programação, principalmente para crianças. Mitch Resnick defende que escrever códigos não é só para os magos dos computadores, é para todos. O Scratch, por exemplo, é uma linguagem de programação criada no Media Lab do MIT para que as crianças aprendam a programar. Aprender programação estimula a pensar de maneira mais criativa, desenvolve o raciocínio lógico e instiga a criar protótipos, isso sem falar no trabalho em equipe. Os códigos abertos são um exemplo disso, pois o código-fonte fica disponível para o uso de todos os interessados.

Com todas essas informações, se você ainda não sabe programar provavelmente está morrendo de vontade saber como começar. Portanto, deixei abaixo um trecho de uma publicação da hostgator que vai complementar perfeitamente as minhas colocações acima e sem dúvidas é o caminho das pedras para os seus estudos. 

Quando e como aprender a programar?

O criador do Facebook, Mark Zuckerberg, aprendeu a programar por volta 13 anos, a mesma idade em que Bill Gates, um dos fundadores da Microsoft, teve seu primeiro contato com um computador. Como a genialidade não é um requisito para aprender a programar ambos começaram com coisas simples. O primeiro código escrito por Bill Gates foi para criar um jogo da velha. No vídeo What most schools don’t teach eles e outros profissionais de tecnologia relatam seus primeiros passos na programação. E tem algo que todos concordam: por mais simples que seja o código que você escrever, o fato de fazer com que um computador execute uma ação é sempre impressionante.

O que você precisa para aprender a programar é determinação e um pouco de conhecimento matemático e inglês, pois ambos estarão presente em vários momentos. As operações matemáticas mais usadas são: adição, subtração e multiplicação. Quando começar a estudar você irá perceber que a maioria dos conteúdos sobre programação são em inglês, daí a necessidade de entender ao menos o básico do idioma.Para os nativos digitais aprendem a programar pode ser uma realidade desde a infância. Já para quem nasceu na era pré-internet o desafio é um pouco maior, mas para quem busca uma melhor qualificação profissional vale a pena. Segundo a Code.org, um milhão dos melhores empregos ligados à programação no continente americano não são preenchidos por falta de profissionais qualificados. Um dos motivos pode ser que a cada dez escolas, somente uma ensina os alunos a programar.